Nesta quinta-feira (6) a Farsul apresentou, em coletiva de imprensa, o balanço deste ano e as projeções do agronegócio para 2019. O setor está otimista para ano que vem.

O 2018 foi de dificuldades para o agronegócio gaúcho, principalmente para a metade sul do estado que sofreu com uma grande seca na metade do ano. Este problema acabou gerando quebra na safra, principalmente da soja.

Neste ano houve uma retração de 5% na produção de grãos. Mesmo assim, esta foi a segunda maior safra da história, perdendo apenas para 2017. Na pecuária de corte o valor da produção foi negativo, 6% a menos que no último ano. A pecuária de leite também sofreu com a crise econômica, mas as previsões para o ano que vem são otimistas para o setor.

Com um novo cenário político, a esperança do setor é que sejam simplificados os procedimentos ambientais para que os empresários possam gerar mais desenvolvimento econômico para o estado e o país.

Mesmo com as projeções otimistas para 2019, o ano que vem não deve superar o ano de 2017, onde o Rio Grande do Sul teve safra recorde.

 

Foto: Marceli Dutra