Seis pessoas foram presas, na manhã desta terça (12), após uma operação da Delegacia de Capturas do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Decap/Deic). A operação faz parte de uma investigação que tem o foco na liderança de uma das principais organizações criminosas do Estado.

O alvo principal na ação de hoje era o líder de uma facção criminosa. Gustavo da Silva Deporte, de 44 anos, conhecido como Queimado, estava escondido no forro de uma casa no bairro Santana. Ele rompeu a tornozeleira eletrônica e estava pronto pra fugir. Na residência onde ele foi localizado, estavam outros jovens e uma garota que seria a atual companheira dele.

Queimado já havia sido localizado na Argentina no final de 2017 e preso em Matinhos, no litoral do Paraná, com histórico de homicídio, tráfico de drogas, roubo a bancos, entre outros crimes. O criminoso conseguiu a progressão de regime e foi incluído no sistema de monitoramento eletrônico por tornozeleira, no início deste mês. A Investigação havia iniciado em 2017 com dois chefes de organizações ainda em liberdade.

“Nesta operação, o principal líder havia sido preso por esta especializada no município de Caiobá, no Paraná, no final de 2017, quando se encontrava na condição de foragido desde março de 2016 e também possuía dois mandados de prisões contra si, sendo um mandado de prisão preventiva e um mandado de prisão decorrente de sentença penal condenatória definitiva, resultando em uma pena de 33 anos e três meses de reclusão”, disse o delegado Raldi.

Outro líder também já havia sido preso no ano passado. Luís Fernando da Silva Soares Junior, o Perneta, foi localizado no Paraguai e encaminhado para a penitenciária de Mossoró, no norte gaúcho.

Mais cinco pessoas foram presas na ação de hoje, entre eles uma mulher e o advogado da facção, que também seria responsável por repassar drogas para outros membros do grupo. Ao todo, desde o início a operação fechamento já cumpriu nove dos treze mandados de prisão. De acordo com a diretora da polícia civil no Rio Grande do Sul, Nadine Anflor, a meta principal agora da corporação é captura e recaptura dos principais líderes de facções criminosas do estado.

 

Foto: Divulgação Polícia Civil