A segunda semana da mostra A Vingança dos Filmes B – Parte VIII, na Cinemateca Capitólio Petrobras terá sessões comentadas. Serão Adyos, General, de Omar “Matico” Barros, e Morto Não Fala, de Dennison Ramalho. Os dois filmes gravados no Rio Grande do Sul além de a Madrugada Maldita.

A seleção dessas mostras são repletas de sangue, tripas e diversão. Na quarta-feira (6), às 20h, tem sessão comentada do clássico Adyos, General (Brasil, 1986, 16mm, 56 min). O público ainda conta com a presença do diretor Omar de Barros Filho, o “Matico”. Com exibição em vídeo, a sessão tem entrada franca.

 

Adyos, General

O filme  é inspirado na mítica figura do líder da extrema-direita salvadorenha, José Alberto Medrano,  e dirigido por Omar de Barros Filho. Foi revelado ao país depois de sua inclusão na Mostra do Cinema de Invenção, que circulou pelo Brasil por iniciativa do cineasta Júlio Calasso. O filme mostra a saga do comandante paramilitar Medrano, seus delírios psicóticos, sua fome de poder e ordem.

 

Madrugada Maldita 
No sábado, 9, a partir das 23h59, a Madrugada Maldita apresenta os filmes A História de Ricky, de Lam Ngai Kai, O Estripador de Nova York, de Lucio Fulci, Dia dos Namorados Macabro, de George Mihalka, e mais um surpresa para celebrar o fim da maratona. O valor do ingresso para assistir a todos os filmes é R$ 20, mas todos podem pagar meia-entrada na sessão.

A História de Ricky: Uma uma gangue de traficantes é assassinada pelo jovem Ricky, que após o crime é levado a uma penitenciária dominada pela brutalidade. Para sobreviver, é necessário que o rapaz utilize suas incríveis habilidades nas artes marciais, para eliminar com extrema violência os guardas corruptos e as gangues que controlam o presídio. É baseado no mangá Riki-Oh, uma produção dos anos 90.

O Estripador de Nova York: Um dos filmes mais polêmicos de Fulci, por conter cenas muito violentas. Em Nova York, um detetive e um psicanalista caçam um brutal serial killer de mulheres. A marca registrada do psicopata são suas ligações para a polícia, na qual os seus crimes são narrados com uma voz que imita o Pato Donald.

Dia dos Namorados Macabro: Vinte anos após um serial killer aterrorizar uma cidade no dia dos namorados, a delegacia recebe um aviso de que a carnificina irá recomeçar: uma caixa de bombons contendo um coração humano. “Dia dos Namorados Macabro” é considerado um dos slashers, sub-gênero sobre assassinos em série, mais violentos dos anos 80.

Ao final da noite ainda terá um filme surpresa, que segundo a divulgação da mostra é “endemoniado”.

 

Pré-estreia de Morto Não Fala
A sessão de encerramento da mostra apresenta Morto Não Fala, de Dennison Ramalho, um dos filmes de horror nacionais mais aguardados dos últimos tempos. No longa, o plantonista de um necrotério, Stênio (Daniel de Oliveira) possui o dom paranormal de se comunicar com os mortos.

O personagem trabalha à noite e já está acostumado a ouvir relatos do além. Porém, quando essas conversas revelam segredos sobre sua própria vida, o homem ativa uma maldição perigosa para si e todos a sua volta.

É a estreia em longas-metragens de um dos mais cultuados diretores brasileiros dedicados ao cinema fantástico, após uma exitosa carreira como curta-metragista, com filmes aterradores como Amor Só de Mãe e Ninjas.

O valor do ingresso é R$ 10, mas todos podem pagar meia-entrada na sessão.

 

A mostra

A mostra teve início no dia 31 de janeiro e acontece até o dia 10 de fevereiro. A produção e curadoria é de Cristian Verardi. Esta é a oitava edição e traz o cinema como ferramenta de contestação e libertação. As sessões acontecem na Cinemateca Capitólio Petrobras e todos pagam meia entrada (R$5,00).

 

Cinemateca Capitólio Petrobras

O projeto Cinemateca Capitólio Petrobras – programação especial 2019, aprovado na Lei Rouanet, será realizado pela Fundação Cinema RS (Fundacine), com patrocínio master da Petrobras. A iniciativa tem 26 diferentes atividades entre mostras, sessões noturnas e de cinema acessível, master classes e exposições.

 

Foto: Divulgação Capitólio