A sessão que se atrasou aproximadamente uma hora, iniciou com a linda homenagem para o escritor e cartunista Maurício de Sousa, que recebeu além do troféu, um surpresa muito especial. Os atores mirins do longa metragem ‘Turma da Mônica – Laços’ entraram correndo e brincando com o criador da obra enquanto o prefeito da cidade de Gramado, João Alfredo de Castilhos Bertolucci lhe entregava o troféu Cidade de Gramado.

Em um segundo momento onde começaram as apresentações do que estava por vir na noite de ontem, subiram ao palco o elenco e produção do curta metragem brasileiro ‘Invasão Espacial’, entre eles estavam o diretor Thiago Foresti e o diretor de fotografia Augusto Dauster. Através de sua fala, Thiago transmitiu ao público todas as dificuldades de gravar um curta com poucos recursos financeiros e também confessou que o processo de criação e gravação foi realizado em um dia e meio, num intervalo de outro trabalho que outro trabalho que estavam envolvidos. Já o diretor de fotografia fez um discurso assertivo em forma de protesto “ele não respeita o meio ambiente, ele não respeita as comunidades tradicionais e nem os povos originários, ele não respeita as minorias nem as diversidades, ele não respeita. Mas ele não nos calará”, finalizou Augusto, sendo aplaudido pelo público.

Mas os protestos não pararam por aí, o diretor do longa metragem brasileiro ‘Hebe – A estrela do Brasil’, Maurício Farias, levou o público a gritar ‘Fora Bolsonaro’ fortemente durante um ou dois minutos após seu discurso. “O cinema brasileiro sempre lutou valentemente para produzir seus filmes para ter mais espaço no mercado do nosso país e como todos sabemos essa nunca foi uma tarefa fácil. Por razões que nada tem a ver com o cinema, estamos hoje sofrendo pressões e tentativas explícitas de dirigismo na produção cultural brasileira, o que é inaceitável numa democracia. A cultura é espaço do diálogo e da liberdade e com isso quero parabenizar todos os colegas aqui presentes e todos que fazem cinema e cultura pelo Brasil, porque nós vamos continuar fazendo filmes, séries, peças, peças entre outras coisas, com os conteúdos mais diversos porque ninguém vai calar a cultura brasileira”. O diretor foi muito aplaudido por artistas e críticos presentes.

Foto: Cleiton Thiele/Agência Pressphoto