| Alice Ros |

Em meio ao crescimento no número de casos de Covid-19, o governo do Rio Grande do Sul determinou, através do Decreto N° 55.610, que as faixas de areia do Litoral Norte fiquem fechadas por 14 dias.

A medida impede que turistas e moradores façam aglomerações à beira mar. Atividades individuais, como exercícios físicos, estão permitidas, assim como a entrega de produtos em quiosques.

O prefeito em exercício de Capão da Canoa, Jairo Marques, avalia que a decisão terá impacto positivo no combate à pandemia.

“Nós concordamos com isso. Algumas reuniões aconteceram na Associação dos Municípios do Litoral Norte (Amlinorte) e o presidente à frente da associação, Cilon Rodrigues Silveira, prefeito de Xangri-lá, concorda. As medidas são necessárias. No Hospital de Santa Luzia, nós temos 11 leitos de UTI, 3 leitos Covid e estamos lotados nos últimos 15, 20 dias. Realmente, com os índices e essas informações que nós temos, estamos na bandeira vermelha e beirando a preta”, disse Marques em entrevista ao Portal RDC.

Em relação às restrições para o comércio essencial e não essencial, o prefeito afirma que o município já contempla todas as medidas de segurança. Segundo Marques, o período de veraneio e a chegada de turista pode acelerar a disseminação do vírus.

“Nosso comércio de Capão da Canoa atende aos protocolos. Nós não vemos o comércio como um fator de disseminação do vírus”, afirma. 

A Brigada Militar (BM) é responsável pelas fiscalizações no município. Nesta quinta-feira (03), uma nova reunião será realizada entre BM e Prefeitura de Capão da Canoa para alinhar planos de ação para as próximas duas semanas.

“As pessoas têm que nos ajudar nesse processo, para que a gente possa, pelo menos, diminuir a contaminação desse vírus, que nos últimos dias é muito preocupante”, explica Marques.

Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares do Litoral Norte afirma que continuará trabalhando

Em entrevista ao Portal RDC, a presidente do Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares do Litoral Norte, Ivone Ferraz, alegou que a categoria manterá as atividades, mesmo com o decreto.

“Nós vamos obedecer os protocolos, vamos seguir o distanciamento. Não existe mais novos decretos para nós”, disse Ferraz.

Ao lado de outros setores atingidos pelas restrições, o Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares do Litoral Norte realizará, na sexta-feira (04), manifestação em frente ao Palácio Piratini, em Porto Alegre. O evento está previsto para 09h.

“Vamos parar Porto Alegre. Vamos para rua chamar o governador. Ele [governador] vai ter que baixar esse decreto. Nós vamos permanecer no Palácio Piratini até que ele saia de lá”, ressaltou Ferraz. “Não vamos aceitar fechamento, não vamos aceitar nada”.

Compartilhe essa notícia: