Coletiva de imprensa com a direção do Náutico no Estádio dos Aflitos – Fotos: Tiago Caldas / CNC

Se o Grêmio está prestes a alcançar o acesso para a Série A, o próximo adversário do tricolor vive um momento oposto. O Náutico pode entrar em campo no domingo (23) já rebaixado, basta a Chapecoense pontuar na rodada. Diógenes Braga, presidente do Timbu, classificou a campanha do time como “desastrosa”.

O Náutico até começou o ano bem. Venceu o Campeonato Pernambucano e encerrou a participação na Copa do Nordeste em terceiro lugar. Na Copa do Brasil, mais uma campanha ruim e foi eliminado logo na largada da competição. Para Diógenes Braga, presidente do Timbu, foram dois semestres distintos: “Um segundo semestre desastroso. Isso é fato. Isso deveu-se, na minha visão, aos inúmeros erros que aconteceram, que se basearam muito na forma de se planejar. Sofremos muito com algumas coisas que não vinham ocorrendo em anos recentes”, disse.

Em 2022, desde que Braga assumiu o Timbu, o time teve cinco técnicos: Hélio dos Anjos, Felipe Conceição, Roberto Fernandes, Elano e, atualmente, Dado Cavalcanti. Nenhum dos comandantes chegou a mais de três meses no cargo.

Em meio a um rebaixamento que pode ser concretizado na sexta-feira (21), dirigentes do Náutico colocaram seus cargos à disposição. O vice-presidente de futebol, José Barbosa, assim como os diretores Eduardo Belo, Roberto Silva e Gilberto Correia não fazem mais parte da direção do Timbu. Agora, o clube começa o planejamento para 2023.

Compartilhe essa notícia: