Gil e Lidia são as campeãs da Série Prata do Open Gaúcho de Futevôlei. Elas conquistaram o título após vencer Regina e Geórgia na final, que aconteceu na noite desta sexta-feira (17), primeiro dia da competição.

“Eu não estava com expectativas quanto ao resultado. Para mim, a competição é algo mais individual do que contra as outras e eu queria jogar bem, mas não tinha expectativas quanto ao resultado”, contou Giu.

“A gente vê o Open com o um desafio, muito em função de as meninas de fora virem jogar. Então, a gente tá treinando para sair e jogar fora, ou para ter jogos bons, com pessoas diferentes” completou Lídia.

Foi também lembra que a competição é importante para motivar mais mulheres a participar da modalidade e das competições. Além de atletas, as duas tambem são treinadoras e enxergam um crescimento rápido do futevôlei feminino. “É uma febre”, analisa Lídia.

Giu lembra que quando começaram era difícil ter jogos femininos e que, agora, cada vez mais mulheres estão praticando o esporte. “Mulher dar aula, então,  não existia. É hoje os guris nos respeitam e buscam a gente como treinadoras”, competiu.

Para chegar à final, as duas venceram Emili e Gabi, enquanto Regina e Geórgia passaram pelas cariocas Kath e Sabrina.

Michele e Adriana são as vencedoras na Série Prata

Foto: Matheus Fraga/ RDCTV

Na série prata, o título feminino ficou com Michele e Adriana a, que venceram Carol e Bruna na final de uma competição que contou com nove duplas.

“A gente treina bastante, treina forte para estar no pódio e ultimamente as conquistas tem sido até rotineiras. E sempre que dá, a gente tá treinando”, comemorou Michele. Recentemente, a dupla também foi campeã do “Rei da Praia”.

Sobre o avanço do futevôlei feminino,  a atleta revelou que participa de um grupo com mais de 80 meninas que praticam a modalidade no Rio Grande do Sul.

Ela também destacou a importância da competição ser dividida em categorias. “Incentiva quem está começando. Assim como no masculino tem iniciante e intermediário, no feminino não tinha, o que afastava as meninas que estão começando”, explicou.