O RDC Esporte desta quinta-feira (25) recebeu o pré-candidato à presidência do Grêmio, Odorico Roman. Em entrevista exclusive, o conselheiro abordou temas importantes da sua campanha e revelou que ainda não tem um técnico definido: “o que estamos construindo é uma ideia de gestão”.

Confira abaixo as respostas do pré-candidato às perguntas feitas por Guilherme Paaz e Nicolas Wagner:

Contratações e salários

“Se formos eleitos o Grêmio vai passar por um processo de modernização muito grande na área de dados (…) a análise de dados é uma ferramenta à disposição dos clubes que não é tudo, mas é muito importante, justamente porque o futebol se tornou muito caro e é preciso não errar tanto, é preciso reduzir muito a margem de erro em investimentos grandes que são feitos pelos clubes. O Grêmio deve sim ter faixas salariais e contratar jogadores dentro dessas faixas. Só assim se conseguirá gerir orçamentos sem sobressaltos”.

Time profissional

“um time precisa ter jogadores experientes para dar segurança, sustentação e passar a experiência que eles tem para os jogadores mais novos, precisa ter jogadores que estão entrando no profissional, para começar a se formar como profissionais e começar a se acostumar com as dificuldades e precisa ter aqueles jogadores em uma faixa intermediária que estão na plenitude da forma física e técnica (…) um time bem montado tem esse espectro todo de idade que é justamente o que dá o equilíbrio ao grupo”.

Treinador

“O treinador tem um modelo de jogo na cabeça e os jogadores tem que ser contratados coerente com esse modelo de jogo. O  treinador tem que ser bom (…) ele tem que ser um treinador que dê ao Grêmio condições de disputar títulos porque é isso que interessa ao torcedor. Não só na comissão técnica, mas todo o Grêmio, na área de marketing, área comercial, futebol, vai ser gerido por pessoas de mercado (…) o que estamos construindo é uma ideia de gestão”.

Categorias de Base

“A formação do Grêmio pode melhorar muito e na minha concepção a gente precisa fazer investimentos na base, a gente precisa aperfeiçoar a formação dos jogadores. Não pode chegar um jogador depois de seis, sete anos treinando na base, sendo formado, e ter dificuldade de bater um escanteio, dar um passe mais longo (…) a base é fundamental”.

Futebol feminino

“Me parece que não está tendo uma atenção que deveria ter (…) precisa aumentar o orçamento do futebol feminino para ter um time melhor. Não para pagar mais, mas para contratar jogadoras melhores e conseguir motivar”.

Grupo de Transição

“Eu penso que a Transição está um pouco desvirtuada. Ela era para ser uma passagem do jogador, que ainda precisa adquirir um conhecimento, aperfeiçoar algum fundamento para passar para o profissional. Só que ela cresceu muito (…) a Transição me parece que está muito inchada, virou um departamento quase autônomo no Grêmio e tem um orçamento maior que o futebol feminino”.

Renato Portaluppi

“Eu não sei se a chave do clube foi dada ao Renato. Quando nós estávamos lá, o Renato cuidava do futebol, cuidava do vestiário, opinava em várias coisas lá dentro, mas nós tínhamos uma gestão. Quando se diz  o Renato fazia tudo, o que é tudo? as pessoas que dizem isso sabem com funciona o departamento de futebol? sabem tudo que envolve a gestão de um departamento de futebol do tamanho do Grêmio? é uma frase que não se sustenta”.

Departamento Médico

“Da mesma forma que se pode analisar jogadores usando dados, também se pode analisar a fisiologia, o departamento médico, a recuperação dos jogadores. É possível fazer uma análise. Por exemplo, o jogador tem lesão de grau 1, quantos dias ele fica no DM? Quanto fica nos outros clubes? Se está havendo uma diferença de que no Grêmio uma lesão, por exemplo, de grau 2, demora mais que a média dos outros clubes, a gente precisa ver que tipo de tratamento está sendo utilizado, e o que existe de novidade de tratamentos diferentes. É possível utilizar dados para aperfeiçoar, inclusive, o departamento médico”.

Arquibancada Norte

“Eu propus que o Grêmio assuma a gestão dos portões da Arquibancada Norte. Não adianta ficar falando que a culpa é da Arena e aí está tudo resolvido? Não. Se a culpa é da Arena e o Grêmio já falou com a Arena e a Arena acha que três catracas é o suficiente, quem sabe o Grêmio propõe deixa que eu vou administrar o acesso da arquibanca norte, que é onde existe esse problema maior porque é um espaço onde possui um maior fluxo de público. É um local diferenciado do estádio em termos de acesso.

Foto: Reprodução/RDC Tv

Compartilhe essa notícia: