Na coletiva após a eliminação para o River Plate, Renato Portaluppi estava bastante irritado com o árbitro do VAR, pelo lance do primeiro gol argentino, quando a bola bateu na mão do atacante Rafael Borré.

“A coisa fica clara, o Grêmio foi roubado!” Disparou o técnico.

O comandante gremista fez questão de isentar o árbitro do jogo, Andrés Cunha, mas não perdoou o árbitro de vídeo.

“Aconteceram coisas que são fo futebol, mas são inaceitáveis. Não falo de arbitragem, mas é inaceitável. Não vou culpar o árbitro do jogo, mas é inaceitável o árbitro do VAR não chamar o árbitro para ver o gol do River”, reclamou.

Renato ainda questionou se o árbitro dormiria tranquilo, depois, ele mesmo respondeu. “Talvez vá”.

Gallardo descumpre suspensão

Outro tema que gerou indignação foi a participação do técnico Marcelo Gallardo, que estava suspenso e não poderia instruir os jogadores do River na partida.

O argentino foi flagrado no vestiário visitante durante o intervalo.

Ciente do ocorrido, Renato atacou a Conmebol. “É um motivo a mais para uma desmoralização para Conmebol, mas não é problema meu, é problema da Conmebol.”

Bressan fora das próximas partidas

Questionado sobre o zagueiro Bressan, que sofreu o primeiro cartão amarelo com menos de um minuto em campo e cometeu o pênalti que resultou na derrota, Renato disse que em alguns momentos é importante dar um tempo e tirar o foco do jogador.

“No momento, não penso em usar o Bressan nos próximos jogos. Mas não vamos condenar o jogador”, respondeu.

O técnico afirmou que é experiente e vai saber administrar a situação. No pênalti, definido por Renato como infantil, Bressan recebeu o segundo amarelo e, por consequência, o vermelho.

O zagueiro brigou muito antes de sair chorando do gramado.

Foto: Reprodução/ Grêmio TV