Por meio de seu perfil no Twitter, nesta segunda-feira (04), o presidente Jair Bolsonaro anunciou que o Ministério da Educação, Ministério da Justiça, Polícia Federal, Advogacia e Controladoria-Geral da União criaram a Lava-Jato da Educação.

De acordo com o presidente, o Brasil, em proporção ao PIB, investe mais em educação do que os países desenvolvidos. Em 2016, foram R$130 bi, quatro vezes mais do que em 2003, mesmo assim, o país ocupa as últimas posições no Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA).

“Há algo de muito errado acontecendo: as prioridades a serem ensinadas e os recursos aplicados” avaliou Bolsonaro. Ele ainda afirma que os dados iniciais apresentam indícios de que “a máquina está sendo usada para manutenção de algo que não interessa ao Brasil. Sabemos que isto pode acarretar greves e movimentos coordenados prejudicando o brasileiro. Em breve muito mais informações para o bem de nosso país”.

Mais tarde, em nova postagem, o presidente falou sobre o que chamou de “agenda globalista”, que, ainda segundo o presidente, tem o objetivo de dividir as classes já que “Pessoas divididas e sem valores são facilmente manipuladas”.

Neste sentido, Bolsonaro afirma que uma das metas do seu governo é mudar as diretrizes educacionais implementadas para impedir o que chamou de “fábrica de militantes políticos para formarmos cidadãos”.

 

Foto: Antônio Cruz/ Agência Brasil