| Lívia Rossa |

Uma pesquisa realizada pelo Sebrae mostrou que 60% dos pequenos negócios que buscaram empréstimo desde o início da crise do coronavírus tiveram esse crédito negado. De acordo com especialista do mercado financeiro e coCEO da Consiga Mais, Victor Loyola, as dificuldades burocráticas dificultam o acesso ao crédito.

Em entrevista ao programa Portal RDC, o especialista afirmo que “infelizmente o cenário é cruel”.  Para Loyola, o subsídio do governo é de muita importância para as pequenas empresas, que representam, segundo o profissional, “um segmento mais arriscado do que os demais, do ponto de vista das instituições credoras que acabam sendo avessas a riscos”, diz. A visão das empresas também se dá pelo alto índice de mortalidade das empresas.

Ainda segundo Loyola, em condições normais o pequeno empresário já sai mais atrás no que diz respeito ao acesso ao crédito. A realidade, em meio à pandemia, piora, de acordo com o especialista.

“Em uma situação de pandemia, isso se agrava porque as instituições se tornam mais avessas a riscos. Por isso a ajuda do governo acaba sendo tão importante para que os pequenos negócios ganhem prazo de carência, mas infelizmente, o cenário é um tanto cruel para muitas empresas que não sobreviverão”, acrescenta.

Na avaliação de Loyola, as empresas que não quebrarem sobreviverão com muitas dívidas e dependerão da retomada dos negócios para conseguir colocar em ordem seu fluxo de caixa. Restam as opções online para manter a movimentação.  Para ele, as empresas que podem ter retorno positivo são as que digitalizarem seus negócios.

Crédito foto: Agência Brasil

Compartilhe essa notícia: