O condomínio residencial Fernando Ferrari, no bairro Rubem Berta, em Porto Alegre, estava sob o controle de uma facção do tráfico de drogas, desde o ano passado, segundo a Polícia Civil. De acordo com as investigações,os criminosos usavam apartamentos para esconder drogas e armas, ameaçavam e até expulsaram moradores, além de usar as guaritas de vigilantes para controlar os acessos do condomínio.

Após assumir pontos de vendas de entorpecentes na região, o grupo passou a utilizar o condomínio como um quartel-general. Lá, realizavam festas com armas e vendas de drogas, sem que os moradores pudessem reclamar. De lá, a facção também organizava grupos que saíam para atacar rivais em outras regiões. Os “Bondes do Leão”, como eram chamados, partiam em dois ou três carros com homens fortemente armados para os ataques.

Um homicídio em fevereiro deu início a dez meses de investigações que levaram a Polícia Civil a realizar uma operação de combate à facção nesta segunda-feira (10). Cerca de 150 policiais estiveram na ação que resultou em sete prisões e na apreensão de um adolescente. Foram cumpridos 45 mandados judiciais, sendo 21 de prisão e outros 24 de busca e apreensão. Ao longo das investigações, outras seis pessoas já haviam sido presas.

Foto: Polícia Civil/ Divulgação

De acordo com o Diretor da Divisão de Homicídios do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa, Delegado Gabriel Bicca, a região é bastante atingida pelo tráfico. “O bairro Rubem Berta tem o maior índice de crimes contra a vida na capital e o Condomínio Fernando Ferrari é um exemplo de como os homicídios têm o tráfico de drogas como pano de fundo”, analisou.

Além das prisões, a ação apreendeu drogas e armas que estavam escondidas em apartamentos e no pátio do condomínio.

 

Foto: Polícia Civil/ Divulgação