No mês da campanha Outubro Rosa, de prevenção ao câncer de mama, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) destaca a importância de fazer o autoexame, manter em dia os exames preventivos e as visitas regulares à unidade de saúde de referência. Hábitos saudáveis também contribuem para a qualidade de vida, como alimentação equilibrada e prática de exercícios físicos, evitando o fumo e bebidas alcoólicas em excesso.

Em relação aos exames preventivos, a orientação é que todas as mulheres a partir dos 55 anos façam uma mamografia a cada dois anos, conforme protocolo do Ministério da Saúde. Fora dessa faixa etária, a mulher deve buscar orientação médica caso tenha fator de risco (obesidade, tabagismo, caso de câncer de mama em mãe, tias, irmãs) ou identifique visualmente alguma alteração mamária.

Na Biblioteca Virtual da Atenção Primária à Saúde (Bvaps), profissionais do município recebem material de apoio técnico e para os pacientes sobre câncer, prevenção, alimentação saudável, atividade física e fatores de risco. A plataforma reúne documentos, fichas, dados e fluxos de atendimento, integrando esferas de informação em um só lugar. A ideia é facilitar o acesso dos profissionais a materiais e fluxos do dia a dia de trabalho, com agilidade e rapidez.

Estratégia

Na busca por oferecer de forma mais eficaz, justa e sustentável os cuidados necessários às pessoas com câncer, o Brasil está entre os sete países a receber o C/Can City Cancer Challenge, criado pela União Internacional de Controle do Câncer (UICC). Projeto inovador, a iniciativa busca criar uma comunidade global de cidades e alianças estratégicas para atuar juntas no planejamento e implementação de soluções locais no combate à doença, desde o diagnóstico até o tratamento.

A capital do Rio Grande do Sul foi a terceira cidade da América Latina selecionada para fazer parte desta aliança e receber todo o apoio necessário. Porto Alegre tem 1,4 milhão de habitantes (IBGE, 2018) e uma incidência estimada de oito mil casos de câncer por ano (INCA, 2018), dados que impulsionaram a prefeitura, a Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (Femama) e o Hospital Moinhos de Vento a participar do projeto.

A coordenadora do Plano de Atividades do C/Can na Secretaria Municipal de Saúde, enfermeira Tatiana Breyer, reitera que a cidade está empenhada em superar as dificuldades enfrentadas por pessoas com câncer. “Queremos melhorar a vida das pessoas e oferecer um tratamento de qualidade no tempo mais oportuno, diminuindo a mortalidade e promovendo ações que reduzam a incidência da doença que já mata tanto quanto doenças cardiovasculares”, avalia.

Panorama do C/Can

Porto Alegre foi selecionada como cidade-desafio em agosto de 2018. A partir de então, foi feito um mapeamento das principais instituições e prestadores de serviços ligados ao câncer até fevereiro, com a identificação e convocação de 15 líderes locais de setores relevantes e a criação de um Comitê Executivo Multissetorial da cidade. O passo seguinte foi realizar o diagnóstico situacional do município para identificar lacunas no tratamento do câncer e propor soluções.

Entre março e maio, 168 profissionais de 33 instituições e 98 pacientes participaram da avaliação dessas necessidades, que foram base para a etapa de priorização e desenvolvimento de um plano de atividades com objetivos estratégicos, finalizada em setembro. Essa rede única de parceiros locais, regionais e globais trabalhará em conjunto para levar inovação, assistência técnica, recursos e competências complementares para viabilizar soluções sustentáveis de tratamento do câncer. A execução de um conjunto de atividades na cidade está prevista para começar até o final do deste ano.

Dados

De acordo com informações do Instituto Nacional do Câncer (Inca), o câncer de mama consiste em relevante problema de saúde pública, sendo a neoplasia maligna mais incidente em mulheres na maior parte do mundo. As últimas estatísticas mundiais do Globocan 2018 estimam 2,1 milhões de casos novos de câncer e 627 mil óbitos pela doença. No Brasil, as estimativas de incidência de câncer de mama para o ano de 2019 são de 59.700 casos novos, o que representa 29,5% dos cânceres em mulheres. Em 2016, segundo divulgação oficial do Inca, em 2016 ocorreram 16.069 mortes de mulheres por câncer de mama no país. No mesmo ano, 223 mulheres perderam a vida por câncer de mama em Porto Alegre, de acordo com dados do Sistema de informação do Câncer de Mama (Sismama). Em 2018, o número de óbitos pela doença alcançou 231 na Capital.

Foto: Cristine Rochol / PMPA