Durante a manhã, desta quinta-feira (6), a Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (DRACO) de Canoas realizou a Operação Cartel, que combate a organização criminosa vinculada a sequestro, roubo a banco e roubo de veículos.

Eram investigadas 19 pessoas, mas dois integrantes do grupo morreram durante as investigações. Os criminosos agiam, principalmente, na região metropolitana e Capital.

As ações policiais foram em Canoas e no bairro Mario Quintana, em Porto Alegre. Onde foram cumpridos nove mandados de busca e sete mandados de prisão. As investigações apuraram os fatos de 2016, 2017 até 2019.

Um dos mandados de prisão é de um dos líderes da Organização Criminosa, José Dalvani Nunes (conhecido como Minhoca), o chefe do grupo “Tropa de Choque”, responsável pelas ações de crimes patrimoniais da organização. Ele já cumpria pena em uma Penitenciária Federal, fora do Rio Grande do Sul.

Em 2016, quando as investigações iniciaram o alvo era o gerente geral do “Tropa de Choque”, Anderson da Silva dos Santos (o Bozo), morto em uma troca de tiros, em Santa Catarina, em 2017.

O grupo tinha envolvimento em explosão a um cofre da Caixa Econômica Federal, em Santa Catarina. Além de sequestros e roubos a residências no Rio Grande do Sul e nos Estado vizinho.

Os policiais identificaram pelos menos 30 roubos de veículos e que após os roubos o grupo clonava os automóveis para utilizarem nas ações criminosas de assalto a bancos e roubos a joalherias.

 

Foto: Divulgação Polícia Civil