A Polícia Civil, em ação conjunta com o Procon, desmantelou uma organização criminosa nesta sexta-feira (17), em Viamão. O grupo era responsável pela prática de estelionato contra vítimas residentes em diversas cidades do Rio Grande do Sul.

Após cinco meses de investigação, a Polícia Civil com o apoio do Procon de Porto Alegre, efetuou a prisão preventiva de dois empresários, os sócios-proprietários e gerentes da construtora Martins. A fraude realizada pela organização criminosa consistia em induzir as vítimas ao erro, prometendo a construção de casas próprias mais baratas do que os preços efetivamente praticados convencionalmente no mercado. Os criminosos obtinham diversas vantagens econômicas: após o recebimento dos valores relativos à entrada prevista no contrato, não cumpriam com a totalidade do objeto do acordo firmado para construção da casa própria das vítimas.

Em alguns casos, apenas os alicerces da residência eram construídos, em outros, nem a parte inicial era executada. Nenhum imóvel firmado em contrato foi entregue pela construtora. Aproximadamente 15 vítimas das cidades de Guaíba, Gravataí, Alvorada, Canoas, Osório, Imbé e também na Capital, estão ligadas aos crimes de estelionato praticados pelos investigados. Os prejuízos financeiros podem chegar à casa de R$ 300 mil, segundo a polícia.

O Procon promoveu hoje à suspensão de todas as atividades da empresa investigada. Houve, ainda, o bloqueio judicial de todos os ativos financeiros das contas bancárias de quatro pessoas jurídicas ligadas ao esquema criminoso, com o objetivo de ressarcir as vítimas. Os presos foram conduzidos à sede da delegacia especializada na defesa do consumidor para procedimentos legais. Ao final do inquérito, deverão ser indiciados pela prática, em tese, de diversos crimes de estelionato, com pena máxima prevista no artigo 171 do código penal, que é de até 5 anos de reclusão, além de organização criminosa, com pena máxima prevista de até 8 anos de reclusão.

 

Foto: Polícia Civil/Divulgação