O Diário Oficial de Porto Alegre (Dopa) traz publicado, na edição de quinta-feira (10) edital que dispõe sobre a seleção de Organizações da Sociedade Civil (OSC) para prestação de serviço educacional de currículo complementar, para o limite de 6,5 mil estudantes regularmente matriculados nas escolas municipais de Ensino Fundamental do 4º ao 9º ano, na perspectiva de educação integral.

A medida tem como objetivo a prestação de serviço educacional para desenvolvimento das habilidades relacionadas aos eixos no contraturno escolar, que compreendem os domínios de língua portuguesa, línguas estrangeiras e matemática; tempos, espaços e cidadania; os domínios de geografia, história, filosofia, cultura religiosa, ética e convivência; ciências naturais, tecnologias e desenvolvimento sustentável; os domínios de ciências naturais, TIC’s, educação ambiental e sustentabilidade; desenvolvimento científico; a função social da ciência e aprofundando os elementos que envolvem uma investigação científica e corpo, cultura e movimento e também a função social e educativa das artes e das atividades físicas, favorecendo a compreensão de si, do outro e do mundo.

Avaliação diagnóstica – “Encaminhamos, na metade de julho de 2021, uma avaliação diagnóstica das 56 escolas de Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino, que era parte integrante do conjunto de estratégias do Prometas, o Plano de Gestão 2021/2024 da Smed. Num contexto pandêmico, era importante aferir os níveis de aprendizagem dos estudantes com a finalidade de obter um diagnóstico individualizado e geral, para podermos traçar ações pedagógicas mais efetivas, como agora estamos realizando”, explica a secretária Janaina Audino.

Diante do resultado dos dados levantados, a Smed entendeu que era necessário investir em ações de educação integral, para garantir mais oportunidade de aprendizagem aos alunos e assim corrigir o fluxo escolar, um importante indicador de qualidade na educação. Neste sentido, a secretaria elegeu como uma de suas estratégias o atendimento de forma integral dos estudantes do 4º ao 9º ano, buscando a redução das lacunas de aprendizagem, da distorção idade ano e das defasagens cognitivas oriundas do afastamento presencial, durante a pandemia do Coronavírus, e dos déficits cognitivos acumulados ao longo dos anos na esfera educacional.

“A educação integral que estamos propondo por meio do currículo complementar é tão importante, porque é inclusiva, contemporânea e promove a equidade, contribuindo para a manutenção do vínculo do aluno com a escola”, concluiu a secretária Janaina.

Fonte: Prefeitura Municipal de Porto Alegre

Compartilhe essa notícia: