Quase sete em cada dez famílias no Rio Grande do Sul estão endividadas ou inadimplentes. Uma pesquisa realizada pela Fecomércio aponta que o índice subiu no mês de março.

A pesquisa mostra que o número de gaúchos endividados subiu de 63,9% para 65,2% (entre os mesmos de fevereiro e março).

A equipe de reportagem da RDC encontrou, nas ruas da Capital a funcionária pública Vera Lúcia da Silva, que estava a caminho da lotérica para pagar as contas. Ela, por exemplo, está apertada devido à fatura do cartão de crédito.

“Cartão de crédito, a gente sempre fica apertada com o cartã de crédito”, desabafa Vera Lúcia.

O empresário Igla Generoso também já passou por alguns sufocos com as contas atrasadas, mas hoje em dia está com a sua situação financeira está mais desafogada.

Os dados da pesquisa da Fecomércio-RS também apontam que o percentual de famílias com divida em atraso chegou a 16,5%. A economista-chefe da Fecomércio-RS Patricia Palermo conta o que ser feito para reverter o caixa negativo da renda familiar.

“Tem que fazer um diagnóstico da sua situação atual, fazendo receitas e despesas detalhadas. Depois tem que mudar de hábitos, eleger as prioridades de gastos que ficam e tirar algumas coisas da nossa vida, nem que temporariamente para depois voltar”, explica a economista.

É importante que o cidadão fique atento as diferenças entre estar endividado e inadimplente.

“As pessoas são endividadas quando elas têm algum tipo de compromisso de consumo ligado ao passado que elas têm que pagar no futuro, isto é, uma parcela da renda está comprometida com um consumo que foi realizado no passado. Já ser inadimplente, é uma situação diferente, é você não ter condições de honrar as dívidas que você assumiu”, diferencia Patrícia.

O cartão de crédito assume o posto do primeiro lugar como causa do endividamento, com 83,9%. Em seguida os carnês, com 19,6%. Depois o crédito pessoal 10,1% e o financiamento de carro 9,7%.

 

Arte: Gabriela Rabaiolli/RDCTV

 

Foto: Paulo Santos/ RDCTV