No dia 23 de março de 1950, a Ospa realizou o seu primeiro concerto no palco do Theatro São Pedro. Sob a regência de seu fundador e primeiro maestro e diretor artístico, Pablo Komlós, os músicos interpretaram obras de Carl Maria von Weber, Felix Mendelssohn-Bartholdy, Paulo Luís Vianna Guedes, Hector Berlioz e Ludwig van Beethoven. Desde a estreia, a Ospa nunca parou, completando nesta segunda-feira (23/3) 70 anos de atividades.

Pablo Komlós deixou a sinfônica em 1978, ano em que faleceu. Após a morte do maestro, a Ospa teve como regentes titulares David Machado, Eleazar de Carvalho, Flávio Chamis, Tulio Belardi, Arlindo Teixeira, Cláudio Ribeiro, Ion Bressan, Isaac Karabtchevsky e Tiago Flores. Em 2015, Evandro Matté assumiu a regência e a direção artística da orquestra. Foi nesse período que a Ospa conquistou pela primeira vez a sede própria, concretizando um sonho antigo da sinfônica.

A orquestra também realiza projetos educativos, por meio da Escola de Música da Ospa, e tem um coro sinfônico regido pelo maestro Manfredo Schmiedt. Em 70 anos de história, passou por muitos desafios e mudanças. A pandemia do novo coronavírus trouxe mais um deles. Com os concertos suspensos, a Ospa busca mais uma vez se reinventar e se adequar aos cenários adversos para seguir entregando música de qualidade.

VÍDEOS
A temporada 2019 da Ospa foi gravada e agora está disponibilizada. Os vídeos podem ser acessadas pelo link bit.ly/ospa_ytb2019.

 

Reportagem: Ascom Ospa

Foto: Ascom Ospa